Pular para o conteúdo principal

Conheça o ES de Hartung: paraíso do caos e da Isenção Fiscal

Apesar da alcunha que lhe é dada de “Imperador” - por sua arrogância, impiedade e soberba - o governador Paulo Hartung não vai além de um serviçal de luxo. Ele faz parte do braço político (no sentido degradante da palavra) de um grupo, muito bem pensado e articulado, para fazer do Espírito Santo sua maior fonte, em detrimento aos reais interesses e necessidades da maioria da população capixaba. A origem do caos que vivemos nesse momento, do visível sucateamento dos serviços públicos, que explodiu e veio à tona com o movimento de paralisação dos policiais militares, tem como origem essa lógica de poder da qual Hartung atua como uma espécie de “leão de chácara”.

O Espírito Santo deveria ser - por simples lógica geopolítica - uma “Suíça” encrustada em território brasileiro. Com uma extensão geográfica similar ao Rio de Janeiro (cerca de 46 mil km2 ), mas com população quatro vezes menor (cerca de 3,8 milhões de habitantes) e com recursos econômicos suficientes para dar dignidade de vida plena a seus habitantes, poderíamos tranquilamente ser referência de índices desenvolvimento humano (IDH) e qualidade de vida. Mas, para nossa desgraça e desespero, somos o oposto disso: brigamos sempre pelos primeiros lugares em índices de violência, temos uma educação pública deficiente (acentuada agora pelo fechamentos de turmas, escolas e dias letivos da EJA) e serviços de saúde precários; somos um dos estados mais violentos do país, que mais matam mulheres e jovens negros, com bairros abandonados dominados pela falta de serviços básicos e pelo tráfico; também, por consequência direta, um dos que mais encarceram; atua-se, contraditoriamente, com a lógica de se “fechar escolas” e “abrir presídios”.

O discurso da “austeridade” e da “falta de recursos” é facilmente desmontado quando se vê a política de Renúncia Fiscal estabelecida por Hartung; escondida através de um artifício imoral denominado “Contrato de Competitividade” (COMPETE) esse, digamos, “artíficio tributário” - que teve várias ações contrárias devidamente derrubadas pela “fiel simpatia” do judiciário capixaba - foi arquitetado para beneficiar os empresários e sangrar o quando puder os cofres públicos, sem se importar com as consequências sociais decorrentes dessa sórdida estratégia. Este “modelo de gestão pública” foi o mesmo utilizado no Rio de Janeiro pelo ex-governador - e atual presidiário - Sérgio Cabral, que outrora caminhou intimamente de braços dados com Hartung; modelo este que contribuiu para produzir e levar a completa falência econômica e caos social à vida dos Cariocas.


Então, como bêbados abraçados se afogando, Rio de Janeiro e Espírito Santo se irmanam para além das lindas praias, tendo amarrados ao pescoço a pedra maldita da “Isenção Fiscal”. E nós, povo indolente, pagaremos a conta. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Angústia, Desespero e Desamparo no Existencialismo de Sartre

No ensaio “O Existencialismo é um Humanismo” o filósofo Jean-Paul Sartre busca esclarecer e  fazer uma defesa - enfatizando seus principais pressupostos - de sua proposta existencialista exposta na obra “O Ser e o Nada”, que foi duramente atacada tanto pela ortodoxia cristã, como pelo fundamentalismo ateu-marxista. Os cristãos o acusam de - ao negar a essência divina como fundante do humano – promover uma visão gratuita, sórdida e angustiada da vida, esquecendo das belezas do viver, ou, em suas palavras, abandonando “o sorriso da criança”. Já os marxistas indicam que Sartre propõe uma espécie de “imobilismo do desespero”, onde o fechamento das possibilidades da ação solidária consolidaria uma filosofia de caráter contemplativo, de fundo burguês. Os dois lados, segundo Sartre, partilham da certeza de que o Existencialismo, por ter sido gerado tendo como base o subjetivismo Cartesiano, promove o isolacionismo humano, se configurando então como uma doutrina sem ética e que promoveria a …

O que é isso, o Brincante?

Considera-se o artista Brincante como um legítimo representante da “cultura popular”. A separação entre “cultura” e “cultura popular” é algo que cristaliza vários preconceitos. Distingue a última como um tipo de “fazer” desprovido de um “saber”, ou uma coisa “velha”, fruto da “tradição”, resíduo de uma gente em extinção. O termo “cultura popular” direciona para o passado, para um espaço perdido, para uma ruína que ainda resiste diante do fim inexorável.

Já o que designa “cultura” - em contraposição a sua designação como “popular” - aponta para um saber atualizado, abarrotado de conhecimento comprovado e necessário; nessa acepção estamos “antenados com o presente” e “preparados para o futuro”. Na maioria das vezes quando se houve dizer que “fulano tem muita cultura”, está se referindo a alguém que adquiriu títulos, escreveu livros ou possui notoriedade por sua “produção intelectual”. Não se trata aqui de uma “cultura qualquer” que se apreende ordinariamente no meio da rua. Esse “sujeit…

Modelo de carta de renúncia para pessoas dignas

Senhores Diretores,

A título de introdução peço licença para expor algumas considerações, como tentativa de possibilitar alguma reflexão e entendimento. Quando se reúne em torno de desejos e ideias, instituindo-se um grupo, está se configurando um “encontro”. Todo encontro pressupõe uma ética, ou seja, um reconhecer e dar dignidade ao “outro” que se configura – no meu modo de ver - de três formas: interesse, escuta e cuidado. Toda ética exige para sua fundamentação, uma compreensão prévia para que se possa instituir uma práxis voltada para o bem comum, ou seja, para dignificação do homem naquilo que reflete mais radicalmente o que chamamos de humanidade, que se constitui a partir das suas possibilidades de escolha e significação de mundo. Daí temos “inclusão” não como dádiva, esmola, doação ou caridade, mas como abertura de possibilidade da liberdade humana, do cidadão autonomamente poder determinar - na diversidade que o constitui culturalmente – suas escolhas com condições dignas d…