Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2011

Genealogia de um Anacronismo

Transponho do papel manuscrito para o plasma
um poema ainda em estado liquido.

Instável, frágil, torto.

Ele não possui ainda a consistência
esperada ao ser lançado à tela,
onde ganhará uma forma e uma métrica
impostas pelo suporte digital.

Por outro lado possui
-antes de ser digitado -
um movimento, uma tensão,
um frêmito pulsar dos dedos,
que serão impossíveis de serem
translatados para a tela.

Será que ele ganha?
Será que ele perde?
Será que é indiferente?

Tenho aqui um tema?
Tenho aqui uma trama?
Tenho aqui um trauma?

Há um vigor do tema
que dispara o poema,
Um entrelaçamento de sentidos
esboça a trama,
que mais tarde se desenrola
(ou muitas vezes enrola)
em gestos rápidos e imprecisos;
o corpo se emaranha no estorvo
dos signos escritos para depois,
quem sabe,

se conformar,
se reformar,
se deformar,
se transformar.

E assim,
dilatar em infinitas possibilidades,
o parco, rígido e consistente aparecer do real.

Mas podemos inferir que temos
aí um trauma da perda desse movimento
e presenças carnais que,
no cristal liquido, s…