Pular para o conteúdo principal

Angústia, Desespero e Desamparo no Existencialismo de Sartre

No ensaio “O Existencialismo é um Humanismo” o filósofo Jean-Paul Sartre busca esclarecer e  fazer uma defesa - enfatizando seus principais pressupostos - de sua proposta existencialista exposta na obra “O Ser e o Nada”, que foi duramente atacada tanto pela ortodoxia cristã, como pelo fundamentalismo ateu-marxista. Os cristãos o acusam de - ao negar a essência divina como fundante do humano – promover uma visão gratuita, sórdida e angustiada da vida, esquecendo das belezas do viver, ou, em suas palavras, abandonando “o sorriso da criança”. Já os marxistas indicam que Sartre propõe uma espécie de “imobilismo do desespero”, onde o fechamento das possibilidades da ação solidária consolidaria uma filosofia de caráter contemplativo, de fundo burguês. Os dois lados, segundo Sartre, partilham da certeza de que o Existencialismo, por ter sido gerado tendo como base o subjetivismo Cartesiano, promove o isolacionismo humano, se configurando então como uma doutrina sem ética e que promoveria a anarquia. É na tentativa principal de demonstrar a dimensão moral e humanista de sua teoria que Sartre escreve “O Existencialismo é um Humanismo”.

Fundado na concepção de que “a existência precede a essência”, a proposta sartreana coloca o homem como único responsável e construtor de seu projeto de vida; o homem não "é" - não tem uma essência fundante - o homem é sempre um "vir-a-ser". Sartre estabelece ainda que se faz necessário uma distinção entre o que ele chama de “existencialismo cristão” – representado por Karl Jaspers e Gabriel Marcel - e a linha ateia da qual ele e Heidegguer seriam legítimos representantes, apesar do próprio Heidegguer recusar essa distinção. O existencialismo cristão apesar de comungar da máxima de sua doutrina, estabelece que o homem tende para Deus. Já o seu modelo ateu diz que não há uma essência divina que funde o homem, estando ele então obrigado a “existir”, isto é, lançar-se, projetar-se, fazer-se, ou seja, inventar sua própria dimensão de vida, fundada na possibilidade da liberdade e da escolha. Sartre assinala que o iluminismo – principalmente através de Diderot, Voltaire e mesmo de Kant – já havia abolido a concepção de uma natureza divina no homem, mas não excluíram a condição de uma “natureza humana universal”; esta visão determina que haveria uma essência universal que fundamentaria a priori qualquer ser humano, independentemente de sua cultura, história ou condição social. Para Sartre essa é uma ideia errônea que deve ser eliminada para que o homem se reconheça como seu próprio criador. É a radicalidade da inexistência de qualquer conceito ou modelo que pré-determine o humano que faz com que Sartre exalte a originalidade e a coerência de sua filosofia.

Para Sartre, como não há uma natureza que fundamente o homem, seria ele o único responsável pelo que vier a ser, sendo função do existencialismo colocá-lo diante de sua responsabilidade. Aos críticos à filiação subjetivista cartesiana do existencialismo, Sartre responde que o termo “subjetivismo” pode ser interpretado como “escolha do sujeito individual por si próprio” (tendo por isso um caráter individualista) e, por outro lado, “impossibilidade de transpor os limites da subjetividade humana”. Esta segunda concepção de subjetivismo tira o homem de uma escolha pessoal pura e simples, obrigando-o - em seu movimento de escolha - a ter como referência o “outro”. No meu ato de escolha, estou escolhendo não somente o meu projeto de "existir", mas também o de toda a humanidade; é a partir do reconhecimento desse projeto pelo "outro" é que o meu projeto ganha dignidade. Sem isso é impossível fazê-lo.  É nesse segundo sentido que Sartre afirma que está fincada sua noção de subjetividade, sendo totalmente diferente das propostas do "cogito cartesiano" e do sujeito transcendental kantiano. Os conceitos de angústia, desamparo e desespero são fundamentais dentro do existencialismo, por isso é indispensável compreender como eles são aqui fundamentados.

A angústia para o existencialismo - diferente da significação emocionalmente estabelecida -  não é tida como um sentimento imobilista e pietista: aqui ela é determinante do engajamento e da escolha. Sentimo-nos obrigatoriamente angustiados quando, diante das possibilidades postas, temos que operar nossas escolhas, pois, ao nos engajarmos, temos que ter consciência que escolhemos não apenas por nós, mas por toda a humanidade; em função disso, não temos como escapar da condição de responsabilidade que envolve esse ato. Aquele que finge, que esconde sua ansiedade, que “dá com os ombros”, que diz que "tanto faz", estará fugindo de sua responsabilidade e agindo, segundo Sartre, com má-fé.

O desamparo no existencialismo – fundamentado a partir das concepções de Heidegguer - está identificado com a afirmação de que não temos Deus ou uma natureza humana universal que nos determine; isto implica que, ao empreendermos a escolha, não temos nada para nos agarrarmos dentro ou fora de nós, ou seja, “estamos sós, sem desculpas” e condenados a nos inventar, a sempre escolher a partir de nós, é isso que constitui o desamparo do homem. Para o existencialismo mesmo quando escolhemos “não escolher”, ou seja, ser indiferente, estamos também escolhendo. Já a noção de desespero se instaura no existencialismo a partir dos limites e possibilidades que cercam nossas escolhas. O desespero advém do fato que somos limitados pelo nosso ser-no-mundo, por condições universais impostas por nossa humanidade (conviver com os outros, trabalhar, ser mortal, etc). Através do desespero vemos que podemos escolher algo, mas não posso ter a esperança ou ilusão de que posso contar com os outros, pois todos são livres para empreender suas próprias escolhas. Não existem garantias que, por exemplo, numa ação conjunta com outras pessoas, eles mantenham as escolhas feitas. Sartre nos alerta para não confundirmos no homem o que temos como “condição universal” com “essência universal”. Está última, como já foi dito anteriormente, é impossível para o existencialismo.

Desta forma temos, segundo Sartre, que a moral no existencialismo assemelha-se a uma criação artística, pois sempre é um processo de escolha, criação e invenção. Assim como não se pode estabelecer valores estéticos a priori para o artista, em seu processo original de criação, também no aspecto da moral existencialista ocorre o mesmo. Nas duas ações estão presentes a criação e a invenção. O humanismo no existencialismo não é um ideal de excelência e superioridade do homem, centrada unicamente no cogito. Aqui ele se produz dialeticamente através da subjetividade (como reconhecimento do homem no mundo) e da transcendência (no sentido de criação e superação). A característica do humanismo existencialista descrito por Sartre é o da projeção do homem para fora de si: projetando-se e perdendo-se, ou seja, criando e se inventando sem predeterminações, escolhendo a si e a humanidade.


Comentários

Anônimo disse…
Ótimo texto :D

Postagens mais visitadas deste blog

Modelo de carta de renúncia para pessoas dignas

Senhores Diretores,

A título de introdução peço licença para expor algumas considerações, como tentativa de possibilitar alguma reflexão e entendimento. Quando se reúne em torno de desejos e ideias, instituindo-se um grupo, está se configurando um “encontro”. Todo encontro pressupõe uma ética, ou seja, um reconhecer e dar dignidade ao “outro” que se configura – no meu modo de ver - de três formas: interesse, escuta e cuidado. Toda ética exige para sua fundamentação, uma compreensão prévia para que se possa instituir uma práxis voltada para o bem comum, ou seja, para dignificação do homem naquilo que reflete mais radicalmente o que chamamos de humanidade, que se constitui a partir das suas possibilidades de escolha e significação de mundo. Daí temos “inclusão” não como dádiva, esmola, doação ou caridade, mas como abertura de possibilidade da liberdade humana, do cidadão autonomamente poder determinar - na diversidade que o constitui culturalmente – suas escolhas com condições dignas d…

O que é isso, o Brincante?

Considera-se o artista Brincante como um legítimo representante da “cultura popular”. A separação entre “cultura” e “cultura popular” é algo que cristaliza vários preconceitos. Distingue a última como um tipo de “fazer” desprovido de um “saber”, ou uma coisa “velha”, fruto da “tradição”, resíduo de uma gente em extinção. O termo “cultura popular” direciona para o passado, para um espaço perdido, para uma ruína que ainda resiste diante do fim inexorável.

Já o que designa “cultura” - em contraposição a sua designação como “popular” - aponta para um saber atualizado, abarrotado de conhecimento comprovado e necessário; nessa acepção estamos “antenados com o presente” e “preparados para o futuro”. Na maioria das vezes quando se houve dizer que “fulano tem muita cultura”, está se referindo a alguém que adquiriu títulos, escreveu livros ou possui notoriedade por sua “produção intelectual”. Não se trata aqui de uma “cultura qualquer” que se apreende ordinariamente no meio da rua. Esse “sujeit…