Pular para o conteúdo principal

SINCADES: Genealogia de uma Imoralidade de Estado

O que me obriga a percorrer essas linhas é o esdrúxulo e imoral acordo deixado pela gestão Hartung com o prematuro – mas nem por isso pouco voraz - Instituto do Comércio Atacadista do Espírito Santo, o famigerado SINCADES, que é comandado pelo Sr. Idalberto Luiz Moro, figura que não me recordo de ter visto em qualquer discussão sobre política cultural do Estado nos últimos anos. O Sr. Moro costuma ofertar regularmente - para os colaboradores do seu agraciado Instituto - suculentas patuscadas regadas a fartas paellas, prato típico da culinária espanhola que, apesar de ser realmente muito saboroso, dependendo do manipulador, do montante investido e dos ingredientes utilizados, pode tornar-se muito dispendioso e indigesto, gerando efeitos desagradáveis e até mesmo, porque não dizer, humilhantes para quem por ventura se arvore a enfrentar e digerir o disparate gastronômico engendrado por tão insólita mistura.

A arquitetura desse acordo que faz parte da herança maldita deixada por Hatung tem o singelo nome de “CONTRATO DE COMPETIVIDADE” – como se capitalista precisasse de incentivo para desejar mais lucro – e foi elaborado tendo três ingredientes fundamentais: dois quilos da pulsão controladora de Hartung, um quilo de fidelidade canina da ex-Secretária de Cultura e admiradora de modelitos Amarelo-Ovo Sra. Dayse Lemos e, para fechar a receita esdrúxula, e uma porção a gosto da vocação de produtor cultural de paellas do Sr. Moro, visto de meia tigela.

Aqui – análogo à mitologia grega – temos configurada a força impiedosa e descomunal de Cérbero, o cão de três cabeças, a fera guardiã dos infernos. Mas quais seriam as motivações obscuras que fazem com que a Besta Atacadista Tricéfala extrapole seus domínios mercadológicos e venha aniquilar nossas dimensões significativas como seres culturais, onde tentamos manter viva nossa identidade simbólica? Que finalidades incomunicáveis impulsionam seu vigor para vir solapar nossos desejos criativos de encantamento e ampliação do nosso espaço afetivo por meio da arte?

Essa descolada tríade de mestres-cucas – atuando como eunucos da pseudocultura no Espírito Santo - elaborou à revelia de qualquer conjunto representativo da sociedade, o referido contrato dito de “COMPETIVIDADE”,para munir o SINCADES com vultosas quantias mensais a título de promover “ações de fomento à cultura” sem precisar passar - como determina o artigo 184 da Constituição Estadual – pelo crivo dos organismos representativos da sociedade; ação clara e indelével dos regimes autocráticos e ditatoriais. Mas apesar disso, tudo foi defendido e louvado – com frieza e determinação germânica – pelo Sr. Erlon Paschoal; tomado por um espírito de aprendiz de feiticeiro em plena reunião do Conselho Estadual de Cultura, ele enxergou o contrato como sendo “um golpe de mestre” de Hartung, e aproveitou-se da omissão e ausência de informações a respeito para tentar manipular os conselheiros, colocando-os como bovinos no curral a espera da próxima ordem de abate. Mas, o que o harrypottismo anacrônico do Sr. Paschoal não explicitou - negando inclusive seu caráter de isenção fiscal - é a dimensão humilhante e lesiva aos cofres públicos e ao povo capixaba que está por trás deste acordo de incentivo à cultura atacadista.

O referido contrato baseado em renúncia fiscal de ICMS – formulado pelo Mestre dos Controles, pela Dama de Amarelo-Ovo e pelo Rei da Paella – confere um desconto de 33%de impostos aos grandes empresários do setor de Comércio Atacadista que resolverem, por uma graça divina, tornarem-se “Competitivos”,sendo que deste montante 10% deverá ser OBRIGATORIAMENTE repassado aos cofres atacadistas do SINCADES. De posse dessa pequena fortuna e longe da pressão e reconhecida legitimidade dos conselhos representativos da sociedade, financia projetos como o espetáculo “Peter Pan”, “A Bela e a Fera”, algumas exposições requentadas de custos elevadíssimos, outros projetos que, assim como a paella, possuem gosto e origem questionáveis.

Esse projetos privilegiados não precisarão esperar e se engalfinhar uma vez por ano no minguado e esquálido Edital da SECULT; edital este que não atende, atualmente, nem 10% da demanda de artistas e produtores culturais do Espírito Santo, que tentam desesperadamente sair do ostracismo e da invisibilidade artística - uma espécie de Sibéria cultural - imposta pela falta de investimentos e políticas que reconheçam e realmente queiram que a pujança econômica do Espírito Santo seja refletida na dimensão da produção cultural e artística, não sendo apenas mais um cais das artes de produções estrangeiras fomentadas pela indústria cultural massificadora.

O que nos causa mais estranhamento, perplexidade e indignação é a rapidez com que essa “paella” imoral e indigesta foi consumada e quais seriam suas obscuras razões. Paradoxalmente, a agilidade na execução desse acordo, o ex-líder estudantil de esquerda Hartung - em sentido oposto à política cultural nacional - manteve o Espírito Santo à margem da proposta corrente em todo país: sem o Conselho Estadual de Cultura, sem a Lei Estadual e sem o Fundo Estadual de Cultura durante quase toda sua gestão. Essa realidade só veio a ser timidamente minimizada depois da pressão da esfera Federal, pois foi traçada – assim como em outras áreas - uma política cultural de Estado através do Plano e do Sistema Nacional de Cultura, que os entes federados são obrigados a seguir sob pena de contingenciamento de outros recursos. Mesmo assim, continuamos ainda sem a nossa Lei Estadual de Cultura e somente com 19% dos municípios agregados ao pacto Federativo de Cultura, um dos piores índices registrados entre todos os estados. Isso exemplifica bem o descaso e o atraso em relação à dinâmica do setor cultural em curso no restante do Brasil. Isso demonstra também claramente que depois do forró e do sertanejo universitário, temos magistralmente agregado à categoria, exclusivamente em nosso solo, sua vertente arcaica e tirânica: O Coronelismo Universitário.

Para não me alongar muito, não irei relacionar novamente aqui os teatros, centros culturais, sítios históricos e outros aparelhos que foram destruídos ou estão em situação de completa degradação pela ação desse grupo de extermínio cultural. O que temos bem caracterizado em tudo que foi exposto, é que no Espírito Santo vigora ainda um sistema de gênese oligárquica que avilta e degrada a expressão artística de seu povo, que é um direito inalienável que está estabelecido constitucionalmente, sendo então sua violação um fragrante desrespeito aos direitos humanos. Vemos com isso, que essa vertente fundamentalista que vigora nos trópicos Capixabas planeja – para alimentar sua megalomania de poder baseada na dominação ideológica midiática e no assolamento da diversidade cultural – instituir a Culturocracia de Mercado de Massa Atacadista(CMMA), tendo como pedra de toque o monopolizante e privatizante acordo com o Instituto SINCADES.

Parece-nos então que “a casa está bem arrumada”, mas para poucos convidados. Lucro para alguns, miséria e degradação cultural para maioria.

“ SINCADES na moqueca dos outros é paella.”

Comentários

GAZUL disse…
Artivista Frega, senti-me no direito de compartilhar desse texto e blog no meu SCARFACEBOOK, ok? A propósito,vc não falou a data da próxima paella...

Postagens mais visitadas deste blog

Angústia, Desespero e Desamparo no Existencialismo de Sartre

No ensaio “O Existencialismo é um Humanismo” o filósofo Jean-Paul Sartre busca esclarecer e  fazer uma defesa - enfatizando seus principais pressupostos - de sua proposta existencialista exposta na obra “O Ser e o Nada”, que foi duramente atacada tanto pela ortodoxia cristã, como pelo fundamentalismo ateu-marxista. Os cristãos o acusam de - ao negar a essência divina como fundante do humano – promover uma visão gratuita, sórdida e angustiada da vida, esquecendo das belezas do viver, ou, em suas palavras, abandonando “o sorriso da criança”. Já os marxistas indicam que Sartre propõe uma espécie de “imobilismo do desespero”, onde o fechamento das possibilidades da ação solidária consolidaria uma filosofia de caráter contemplativo, de fundo burguês. Os dois lados, segundo Sartre, partilham da certeza de que o Existencialismo, por ter sido gerado tendo como base o subjetivismo Cartesiano, promove o isolacionismo humano, se configurando então como uma doutrina sem ética e que promoveria a …

O que é isso, o Brincante?

Considera-se o artista Brincante como um legítimo representante da “cultura popular”. A separação entre “cultura” e “cultura popular” é algo que cristaliza vários preconceitos. Distingue a última como um tipo de “fazer” desprovido de um “saber”, ou uma coisa “velha”, fruto da “tradição”, resíduo de uma gente em extinção. O termo “cultura popular” direciona para o passado, para um espaço perdido, para uma ruína que ainda resiste diante do fim inexorável.

Já o que designa “cultura” - em contraposição a sua designação como “popular” - aponta para um saber atualizado, abarrotado de conhecimento comprovado e necessário; nessa acepção estamos “antenados com o presente” e “preparados para o futuro”. Na maioria das vezes quando se houve dizer que “fulano tem muita cultura”, está se referindo a alguém que adquiriu títulos, escreveu livros ou possui notoriedade por sua “produção intelectual”. Não se trata aqui de uma “cultura qualquer” que se apreende ordinariamente no meio da rua. Esse “sujeit…

Modelo de carta de renúncia para pessoas dignas

Senhores Diretores,

A título de introdução peço licença para expor algumas considerações, como tentativa de possibilitar alguma reflexão e entendimento. Quando se reúne em torno de desejos e ideias, instituindo-se um grupo, está se configurando um “encontro”. Todo encontro pressupõe uma ética, ou seja, um reconhecer e dar dignidade ao “outro” que se configura – no meu modo de ver - de três formas: interesse, escuta e cuidado. Toda ética exige para sua fundamentação, uma compreensão prévia para que se possa instituir uma práxis voltada para o bem comum, ou seja, para dignificação do homem naquilo que reflete mais radicalmente o que chamamos de humanidade, que se constitui a partir das suas possibilidades de escolha e significação de mundo. Daí temos “inclusão” não como dádiva, esmola, doação ou caridade, mas como abertura de possibilidade da liberdade humana, do cidadão autonomamente poder determinar - na diversidade que o constitui culturalmente – suas escolhas com condições dignas d…