Pular para o conteúdo principal

Ensaio sobre a pasteurização dos afetos

Chegamos ao tempo dos afetos pasteurizados.
Acasos sonsos, omissos casos, descasos parcos,
transações tristes, afagos fáceis, favoráveis,
indiferentes, liquidados a perder de vista.

Qualquer gesto será desmitificado,
desqualificado, massificado enquanto tal;
sem qualquer conotação verbal,
apenas imediato contato casual.

É mesmo necessário evitar-se a fala,
nenhum sentido expresso,
nenhum excesso de sentimento,
nenhum impresso pertencimento.
Falemos pouco,
(ou quase nada mesmo)
sejamos lacônicos,
patéticos, distraídos,
risonhos, fofos, risíveis...

É mesmo necessário,
(praticamente um imperativo ético)
pasteurizar o riso,
articulá-lo em seu vazio pleno,
mumificá-lo em sua dimensão tetânica.
Não há motivos para buscarmos profundidade
em nossos encontros;
já estamos vastos de nós mesmos,
autossuficientes, autossustentáveis,
autodeterminados, autocontrolados.

Temos um império insípido e hipertrofiado
dentro das nossas pequenas cabeças:
por que haveríamos de perder tempo
em perceber o outro?

Usaremos os poemas apenas como adorno,
enfeite descartável, capa protetora;
talvez até tatuaremos os versos em nossos corpos,
mas apenas pelo estético apelo dos seus traços.
Não há necessidade de entender, receber,
acolher o gesto primeiro, o sentido da busca,
o olhar trocado, o afeto estendido.

Tudo será racionalmente comprimido
e evidentemente
(num curto espaço de tempo),
esquecido...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Angústia, Desespero e Desamparo no Existencialismo de Sartre

No ensaio “O Existencialismo é um Humanismo” o filósofo Jean-Paul Sartre busca esclarecer e  fazer uma defesa - enfatizando seus principais pressupostos - de sua proposta existencialista exposta na obra “O Ser e o Nada”, que foi duramente atacada tanto pela ortodoxia cristã, como pelo fundamentalismo ateu-marxista. Os cristãos o acusam de - ao negar a essência divina como fundante do humano – promover uma visão gratuita, sórdida e angustiada da vida, esquecendo das belezas do viver, ou, em suas palavras, abandonando “o sorriso da criança”. Já os marxistas indicam que Sartre propõe uma espécie de “imobilismo do desespero”, onde o fechamento das possibilidades da ação solidária consolidaria uma filosofia de caráter contemplativo, de fundo burguês. Os dois lados, segundo Sartre, partilham da certeza de que o Existencialismo, por ter sido gerado tendo como base o subjetivismo Cartesiano, promove o isolacionismo humano, se configurando então como uma doutrina sem ética e que promoveria a …

O que é isso, o Brincante?

Considera-se o artista Brincante como um legítimo representante da “cultura popular”. A separação entre “cultura” e “cultura popular” é algo que cristaliza vários preconceitos. Distingue a última como um tipo de “fazer” desprovido de um “saber”, ou uma coisa “velha”, fruto da “tradição”, resíduo de uma gente em extinção. O termo “cultura popular” direciona para o passado, para um espaço perdido, para uma ruína que ainda resiste diante do fim inexorável.

Já o que designa “cultura” - em contraposição a sua designação como “popular” - aponta para um saber atualizado, abarrotado de conhecimento comprovado e necessário; nessa acepção estamos “antenados com o presente” e “preparados para o futuro”. Na maioria das vezes quando se houve dizer que “fulano tem muita cultura”, está se referindo a alguém que adquiriu títulos, escreveu livros ou possui notoriedade por sua “produção intelectual”. Não se trata aqui de uma “cultura qualquer” que se apreende ordinariamente no meio da rua. Esse “sujeit…

Modelo de carta de renúncia para pessoas dignas

Senhores Diretores,

A título de introdução peço licença para expor algumas considerações, como tentativa de possibilitar alguma reflexão e entendimento. Quando se reúne em torno de desejos e ideias, instituindo-se um grupo, está se configurando um “encontro”. Todo encontro pressupõe uma ética, ou seja, um reconhecer e dar dignidade ao “outro” que se configura – no meu modo de ver - de três formas: interesse, escuta e cuidado. Toda ética exige para sua fundamentação, uma compreensão prévia para que se possa instituir uma práxis voltada para o bem comum, ou seja, para dignificação do homem naquilo que reflete mais radicalmente o que chamamos de humanidade, que se constitui a partir das suas possibilidades de escolha e significação de mundo. Daí temos “inclusão” não como dádiva, esmola, doação ou caridade, mas como abertura de possibilidade da liberdade humana, do cidadão autonomamente poder determinar - na diversidade que o constitui culturalmente – suas escolhas com condições dignas d…